sábado, 6 de outubro de 2018

ONU RECEBE PEDIDOS DE PROTEÇÃO E DENÚNCIAS DE PERSEGUIÇÃO E 14 PAÍSES SE UNEM EM DEFESA DA VIDA DOS ECOLOGISTAS NA AMÉRICA LATINA (TAMBÉM NO BRASIL)


60% dos homicídios de ambientalistas são registrados nesta região do planeta onde vigoram grandes agressões à ecologia e reina o mundo da impunidade e  prevalecem os interesses de grupos econômicos
  

A situação é tão grave que a ONU está fazendo um tratado...



...para defender líderes ameaçados em questões ambientais e de disputa por terras indígenas também no Brasil ruralista


Pode parecer hipocrisia, mas o Brasil também assinou o tratado proposto pela ONU: recebemos a informação de Georgina Zerega por e-mail aqui no blog do movimento ecológico, científico e de cidadania Folha Verde News. Ela é da Cidade do México e fez a matéria para o jornal e site da Espanha, El Pais que debate os países onde a luta pela ecologia é mais perigosa (nosso país lidera esta ranking de violência e de atraso). A matéria começa falando que depois de 2 anos do violento assassinato em Honduras da popular defensora do meio ambiente Berta Cáceres, 14 países da América Latina (entre eles estão o México, o Brasil e a Guatemala) acabam de assinar um tratado como medida para proteger os ativistas do movimento ecológico. O documento, acertado no marco da Assembleia Geral das Nações Unidas e batizado como Acordo de Escazú (Costa Rica), exige que os países “garantam um entorno seguro às pessoas, grupos, entidades, movimentos e organizações que promovem e defendem direitos humanos e de cidadania relacionados a assuntos do meio ambiente”.

Tem havido protestos de jovens, de intelectuais e também de...

...de lideranças populares contra agressões e...

·     
...por aqui e em toda a América Latina e Caribe


Um dos temas que mais polemizaram neste encontro das Nações Unidas foi o fato que o Brasil hoje com tendência ruralista bate todos os recordes e é o país mais perigoso das Américas para ecologistas. A proposta chega em um momento crítico em todo o continente, marcado pela impunidade. Mais de 200 ativistas foram assassinados no ano passado no mundo (nesse ano foram contabilizadas até junho 60 mortes) e 60% desses homicídios, registrados pela ONG Global Witness, acontecem na América Latina. 


 Maria do Espírito Santo e José Cláudio foram citados...

...nos bastidores do entro das Nações Unidas sobre aumento de vítimas nas lutas de ecologistas, índios e líderes de cidadania

 
Assim como Marielle no Rio, muitos casos ficam sem solução


A morte de Berta Cáceres, executada em março de 2016, continua até hoje sem resolução. A grande maioria dos homicídios ocorre em meio a disputas pelos recursos naturais ou por terras de comunidades tradicionais, nativas ou indígenas. Esse aliás foi o caso do líder indígena Isidro Baldenegro, defensor das comunidades e das matas nativas do México, que foi baleado há um ano sem que nada tenha sido apurado pelas autoridades sobre o caso. Parece até o que ocorreu com Marielle Franco no Rio de Janeiro, embora esta vereadora não lutasse especificamente pelo meio ambiente, tendo uma atuação ampla no movimento de cidadania das mulheres (e na favela de Maré). Além do que aconteceu com o ícone da ecologia Chico Mendes há 30 anos, nos bastidores deste encontro pelo Acordo de Escazú foram citados caos muito explícitos e mais recentes como de 3 mulheres que se manifestaram contra a poluição da mineração em Barcarena mais recentemente ou do casal de ativistas José Cláudio e Maria do Espírito Santo. 


Assassínio da líder Berta Cáceres no México chocou a opinião pública em toda a América Latina

 
“Esse tratado é muito inovador, é o único que incorpora a defesa dos que estão lutando pelos direitos humanos protegendo também os que defendem as causas de cidadania e do meio ambiente", comentou Alicia Bárcena, que é a secretária executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) da ONU, órgão que avalizou o acordo humanitário e de proteção dos ambientalistas, também do Brasil. 


Esta ambientalista foi também jurada de morte pela sua atuação

 Momento da assinatura do Acordo de Escazú (tratado da ONU)


(Confira mais informações sobre este tratado, que recebeu algumas críticas, também sobre a situação das lutas socioambientais no país e na América Latina na seção de comentários deste blog)


 Desde o assassinato de Chico Mendes uma história de violência no Brasil contra líderes da ecologia e da cidadania faz a ONU criar um tratado
A questão indígena é uma das mais explosivas do continente



Fontes: nacoesunidas.org - brasil.elpais.com
              folhaverdenews.blogspot.com

9 comentários:

  1. É sintomático a ONU precisar elaborar um acordo internacional e um tratado em defesa de lideranças ambientalistas no Brasil e em toda a América Latina. Este ângulo da violência foi discutido nas Nações Unidas mas não nos debates de TV e rádio ou imprensa para estas eleições...

    ResponderExcluir
  2. "Este acordo, que retoma o princípio 10 da Declaração do Rio de Janeiro sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, é histórico e que com esse acordo que se inicia agora o continente se coloca na vanguarda contra crimes ambientais e assassinatos de líderes da ecologia e da cidadania": comentário de Alicia Bárcena, da Cepal, que é a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe, na ONU.

    ResponderExcluir
  3. Logo mais, outras informações e comentários, em nova edição desta seção, você pode participar colocando aqui a sua opinião ou enviando mensagem à redação deste blog que aí postamos para você, mande para navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  4. Videos, fotos, material de informação, denúncias, críticas, sugestão de matérias você pode também enviar diretamente pro e-mail do nosso editor padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  5. “O conteúdo deste tratado por enquanto não tem muito peso em termos práticos. Por enquanto há muita retórica, mas pouco sobre o que significa. Não tem muita informação sobre os passos concretos que os Governos precisam aplicar”: comentário de Billy Kyte, da Global Witness. O chefe de campanhas de defesa da terra e do meio ambiente da ONG afirma que se trata de “um marco”, mas mantém uma postura cautelosa diante da assinatura do tratado porque, segundo ele, sua eficácia dependerá da vontade dos países para cumprir o pactuado agora na ONU: "A violência contra ecologistas e contra o ambiente cresce mais do que qualquer medida".

    ResponderExcluir
  6. "Brasil é o país mais perigoso para ambientalistas": comentário da Anistia Internacional em transmissão da Radio France Internationale em dezembro passado.

    ResponderExcluir
  7. "Somente em 2017 a violência contra ativistas causou 58 mortes no Brasil e na América do Sul, sendo que agora já quase ao final de 2018 estes números dobraram": comentário de Ângelo Sanches, nos passando notícia com um relatório neste sentido da Global Witness, entidade internacional muito respeitada na Europa e em todo o planeta: ele é engenheiro civil e explica que se interessa pelo tema porque teve parentes passando por este problema no Pará. A gente agradece o material que nos foi enviado e vamos sim divulgar dentro duma próxima edição.



    ResponderExcluir
  8. "O Brasil é o país do mundo que teve mais ativistas que lutam contra o desmatamento ou que defendem pequenos agricultores e sem-terra assassinados nestes últimos anos. Esta é uma das conclusões de um relatório divulgado pela Anistia Internacional. O documento mostra que, ao todo, 66 membros do Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores dos Direitos Humanos foram assassinados no ano passado aqui em nosso país, que é o mais perigoso do mundo para ambientalistas e defensores do acesso à terra. O Brasil é seguido por Colômbia, Filipinas, Índia e Honduras, pelo critério de quantidade de vítimas": comentário extraído de reportagem do site Carta Capital.

    ResponderExcluir
  9. "Os defensores do meio ambiente que lutam contra o desmatamento no Brasil e defendem os interesses de comunidades enfrentam um lobby poderoso de empresas que exploram recursos naturais, se apropriam de terras e se opõem à reforma agrária": comentário extraído de relatório da Anistia Internacional. Ainda segundo o documento da Anistia, a maior parte das vítimas são indígenas e pequenos agricultores "expropriados de suas terras por interesses poderosos, ligados à exploração das riquezas naturais". A organização não-governamental constata que a situação, conhecida há vários anos, parece se agravar, principalmente "depois que as autoridades relaxaram na defesa dos direitos humanos".

    ResponderExcluir

Translation

translation