quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

COMEÇA MOVIMENTO POR UM CINEMA MAIS ECOLÓGICO NÃO APENAS FILMES FEITOS NA NATUREZA MAS COM UMA PRODUÇÃO MAIS SUSTENTÁVEL

Um Cinecol está nascendo entre cineastas e artistas de várias países e no Brasil também que nestes dias tem o lançamento do documentário sobre Adoniran Barbosa que é visto também como um filme de rua


A nossa natureza oferece cenários e temas para o novo cinema sustentável que já apelidam de Cinecol

O ator do momento Joaquim Phoenix também defende um cinema voltado para a cultura da vida em todas as suas plataformas



Lúcia Muzell começa a sua matéria na RFI assim: "Locações extraordinárias em um paraíso escondido do mundo, explosões espetaculares de tirar o fôlego, reconstituição histórica à beira da perfeição. Quando assistimos a um filme, esses detalhes da produção costumam impressionar, mas você já pensou na pegada ecológica da indústria do cinema? Pouco a pouco, o setor começa a prestar atenção em diminuir a poluição, gerada desde a elaboração do roteiro até a estreia e a forma de distribuição". Esta argumentação bate também com o discurso de Joaquim Phoenix ao receber o prêmio de melhor ator no Globo de Ouro. Depois de se tornar um ator mundial com o sucesso de Coringa, em Hollywood, ele continuou mantendo o seu ativismo pelo meio ambiente (chegou a ser preso em manifestação em Washington a favor da decretação de um estado de Emergência Climática, junto com Jane Fonda, com o pique de Greta Thunberg e a nova geração de ecologistas). Phoenix tem ressaltado também a emergência do cinema mudar e avançar para uma estrutura mais sustentável. Ele acusou a indústria cinematográfica sobre o que chamou de poluição da sétima arte, sugeriu que o cinema avançará desde a escolha do local de filmagens, sem ignorar o impacto ambiental das filmagens. 

As grandes e megaproduções hoje são poluentes mas podem avançar e se tornar sustentáveis com gestão, tecnologia e imaginação

É de praxe uma equipe inteira se deslocar para as gravações com seus equipamentos, sem qualquer preocupação com as emissões dos transportes. Com 20 anos de experiência no setor, o produtor francês Mathieu Delahousse viu de perto os desperdícios do cinema e alerta: é preciso dar prioridade máxima aos recursos locais. “Temos o hábito de trabalhar sempre com os mesmos fornecedores. Sequer paramos para pensar se podemos encontrar na região da filmagem profissionais que nos providenciem os mesmos produtos, em vez de trazer tudo da capital”, comenta Delahousse: “Essa reflexão pode ocorrer sobre todos os aspectos da produção: das refeições servidas no set aos técnicos que trabalharão, passando pela decoração e até equipamentos, fornecedores da região das filmagens da madeira para montar os cenários, economia de meios". 



Mathieu Delahousse pioneiro do cinema sustentável

Sinal de nova tendência -  Um clip que mostra canção que venceu prêmio David di Donatello na Itália está dentro desta proposta de arte voltada para a cultura da vida, Abbi pietá di noi - Biaggio Passaro ... 



Prêmio David di Donatello mostra a nova tendência também na música agora da itália neste videoclip socioambiental
Curta esta outra canção de Enzo Avitabile, a cultura da vida também na música agora da Itália

https://www.youtube.com/watch?v=pBCX2edxEPo


Diante da realidade das produções atualmente, Mathieu Delahousse e um colega decidiram abrir uma consultoria especializada em promover um cinema mais ecológico. Ele conta que, no início, há quatro anos, o projeto era alvo de deboches, por dar sugestões como acabar com as embalagens plásticas nas gravações e trocar os veículos a gasolina por elétricos. Hoje, ele percebe que a tomada de consciência mundial sobre a crise ambiental fez com que as propostas da Secoya Eco Tournage  e deste movimento cultural fossem cada vez melhor acolhidas: "Por exemplo, podemos preferir um cenário que seja todo desmontável e possa ser montado de novo em outro formato em vez do que se faz mais habitualmente, que é destruir tudo e jogar fora no lixo para não perder tempo, sem que ninguém mais possa reutilizar esse material”. A Secoya Eco Tournage hoje é melhor entendida pelos profissionais do cinema na França e na Europa onde se tenta avançar uma nova estrutura de filmes mais ecológicos na sua forma de realização, desde o roteiro à distribuição. O conteúdo também entra nessa perspectiva de mudança, algo que de maneira contemporânea remonta ao final da 2ª Guerra Mundial com as produções do movimento Neo Realismo, com filmes feitos na rua, economizando cenários, com os temas aproximando a ficção da realidade e agora em busca de uma nova forma de viver, mas sustentável, em que a economia e a ecologia possam se equilibrar, diminuindo as mudanças climáticas, o aquecimento global, toda forma de poluição e levando co cinema para longe do caos do consumo rumo à uma cultura da vida e da não violência. Isso é em resumo o que disseram a atriz Jane Fonda, dos Estados Unidos, e o ator Joaquim Phoenix, que acaba de fazer sucesso com o Coringa, ao ser entrevista pela mídia da Europa. 

Giovanni Guarnieri mostra alcance das imagens naturais

Um novo Neo realismo agora? Há filmes saindo dos estúdios e dos cenários para as cenas nas ruas

Documentário sobre Adoniran Barbosa (do jovem Pedro Serrano) sendo lançado nestes dias (veja vídeo aqui no blog) é também um filme de rua

No polo nordestino do cinema atual do Brasil, Bacurau está dentro desta nova tendência da cinematografia



Maquiagem também polui Na Europa, a expectativa é de que não tardem a ser aprovados subsídios para produções ecorresponsáveis. Na França, por exemplo, filmes que respeitam a paridade de gêneros recebem 15% a mais de financiamento do governo. Propostas semelhantes podem se replicar para a questão ambiental. Tudo mais natural. Não se trata de banir as superproduções mas se pode criar efeitos especiais (como aliás fazia Fellini e alguns cineastas mais contemporâneos fazem hoje) com tecnologia ou imaginação e arte, emitindo menos CO2 na atmosfera. Não faz muito sentido um James Bond sem carros explodindo, mas podemos pensar melhor em como realizar essas explosões. Nos filmes de ação e aventura talvez voltando a usar miniaturas, como na década de 70 ou, melhor ainda,  aperfeiçoando a cena com efeitos especiais digitais. Menos maquiagens ou produtos tóxicos ou mais natureza, cenas ao ar livre, cenários naturais e cultura da vida. 




Giovanni Guarnieri mostra o alcance das imagens naturais



(Confira na seção de comentários deste nosso blog de ecologia e de cidadania mais dados e reflexões sobre o cinema sustentável, co conteúdo e na sua forma de realização, não se trata de uma ditadura do documentário e sim llberdade de criação com responsabilidade ambiental: no vídeo hoje em nossa webpágina, treiler da produção brasileira sendo lançada sobre Adoniran Barbosa, num formato de filme que busca a autenticidade, como buscou em sua vida e em suas músicas este compositor, cantor e poeta de temas sociais colocando o povo não só como figurante ou espectador mas como um protagonista)




Jane Fonda hoje vai à luta pelo Clima tal qual Greta Thunberg e novas gerações (ela também está em busca dum cinema sustentável)



Muita ação rola nas ruas seja em Washington (USA) ou...



 ...com o povo da rua em São Paulo, aqui nas escadarias da Sé

O cinema sustentável de agora redescobre a aventura da natureza também como tema da cultura da vida


FontesRFI - BBC - Reuters
               folhaverdenews.blogspot.com

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

AS ALGAS QUE ERAM BENÉFICAS PARA A ECOLOGIA AGORA COM TODA A POLUIÇÃO ESTÃO INVIABILIZANDO A PESCA E O ATÉ ABASTECIMENTO DE ÁGUA EM ALGUMAS REGIÕES DO VELHO CHICO NO NORDESTE DO PAÍS

A proliferação destas plantas aquáticas já está hoje em dia ameaçando a vida no rio São Francisco em Alagoas com excesso de algas e pouca água limpa 



 No São Francisco em Alagoas excesso de algas...



...já prejudica a pesca e o abastecimento de água


"Quando o ambiente está equilibrado, as algas ocorrem em menor proporção e não causam problemas ao ecossistema, inclusive são importantes na filtragem de nutrientes, servindo de alimento para várias espécies, atuando na fotossíntese e servindo também de abrigo para desova de espécies de peixes e crustáceos", explica Emerson Soares, pesquisador nordestino, um dos entrevistados pela repórter Raíssa França, da BBC News.  A gente recebeu por e-mail do blog de Adalberto Gomes (confira o vídeo postado aqui em nossa webpágina) esta matéria que mostra a proliferação acelerada de plantas aquáticas em algumas áreas no rio São Francisco, algo que já está surpreendendo e preocupando ambientalistas e pesquisadores no Nordeste do Brasil. A grande quantidade de algas, em especial elódeas e aguapés (respectivamente dos gêneros elodea e eichhornia), ocorre basicamente por conta do despejo de esgoto e produtos químicos no rio. Alguns cientistas que analisaram estas águas afirmaram que não é possível saber exatamente quando essas plantas surgiram no rio, mas que elas se alastraram de forma rápida demais e excessiva por conta da contaminação e da diminuição da vazão: "Essas plantas já estão há bastante tempo no São Francisco, mas agora estão descontroladas", alerta o coordenador da Expedição do São Francisco e vice-coordenador do Comitê Científico de Bacias Hidrográficas do Nordeste, Emerson Soares. Segundo ele, esse aumento é resultado do acúmulo de poluentes, fertilizantes, agrotóxicos e esgoto doméstico.


Pesquisadores alertam que é preciso mais estudos e medidas urgentes...

...para conter a overdose de algas, como por exemplo o saneamento básico nas cidades da região


Excesso de algas e pouca água -  Uma tal overdose destas plantas aquáticas trazem problemas para a água que será utilizada para abastecimento e matar a sede de animais, tornando-a imprópria para consumo também da população de centenas de cidades da região. O excesso das plantas já causa problemas a quem navega nas águas, a pescadores e afeta o abastecimento de água em Alagoas. O rio São Francisco é considerado fundamental para os nordestinos. Sem ele, milhões de pessoas ficariam sem fonte de abastecimento hídrico. O Velho Chico corta 507 municípios, de Minas Gerais a Alagoas. A área afetada pela proliferação das plantas é a região conhecida como baixo São Francisco, que vai de Paulo Afonso na Bahia até a foz, em Alagoas, com um total 214 km de extensão. Nesta semana passada, a Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) perdeu uma das duas bombas que fazem abastecimento da Bacia Leiteira, em Pão de Açúcar. Ela queimou devido ao grande número de algas tipo elódeas. O abastecimento humano em 19 municípios já foi comprometido. O coordenador desta companhia, Erickson Dantas, informa que a empresa está preocupada com as plantas, já que a quebra do motor comprometeu 50% do fornecimento. Ao todo, segundo ele, o suprimento total chega a 200 mil pessoas no sertão alagoano: "Nós temos o maior sistema coletivo do Estado, mas há apenas um ponto de captação para abastecer todos estes municípios. Se a captação para, o abastecimento também é paralisado".tirar plantas do rio
Barqueiros têm sido contratados para retirar algas...

 ...que no entanto reaparecem no dia seguinte

Dezenas e até centenas de municípios alagoanos podem ficar sem água, alerta Erickson Dantas: "De uns dias pra cá estamos tendo obstruções. Percebemos que a Chesf (companhia de eletricidade) está liberando mais água (das represas), e isso faz com que as plantas aquáticas, que ficam acima da captação, desçam. Já chegamos a precisae de parar três vezes para fazer a intervenção e fazer a limpeza". A vazão da hidrelétrica reduz ou aumenta de acordo com a quantidade de água armazenada nos reservatórios de Três Marias (MG), Sobradinho (BA) e Itaparica (BA/PE). Desde 2012, com as reiteradas estiagens, a vazão passou por uma série de reduções a fim de garantir que nenhum deles chegasse ao volume morto, o que causaria problemas na geração de energia elétrica. Para amenizar o problema, pescadores da região foram contratados para retirar as plantas do local. Entretanto, um dia após a limpeza, as plantas ressurgiram. "Já aconteceu de cancelarmos a cobrança aos usuários porque não conseguimos abastecer uma cidade por esse problema. Ou seja, são muitos prejuízos causados", admite o técnico Érick Dantas, que comentou ainda que a Casal agora tem um plano para fazer a contenção do excesso de plantas como estas algas, para que não se aproximem das bombas. Mas isso vai demorar, ainda é preciso que exista um estudo. Outro problema é a pouca quantidade e a baixa qualidade da água por ali. 
Despoluição das águas e controle das algas estão entre as medidas indicadas por pesquisadores

Urgentes saneamento e revitalização das águas do São Francisco - A bióloga marinha e professora da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Élica Guedes, explica que um dos fatores que está causando a proliferação é a mudança dos padrões físico-químicos da água. A preocupação da especialista é com a sua qualidade: "O desenvolvimento em excesso (das algas) influencia também na qualidade da água. Elas tendem a retirar oxigênio no seu processo de desenvolvimento, e isso afeta o desenvolvimento de outros organismos presentes na água: microalgas, zooplancton, peixes, complicando mais a situação". Para minimizar o problema, a bióloga esclarece que é preciso evitar derramamento de produtos químicos na água, que tem origem em vários pontos. "Um deles são as plantações nas margens dos rios que utilizam agrotóxicos e são lançados na água. Até mesmo máquinas das usinas que utilizam óleos para o funcionamento também geram resíduos e poluição, além do esgoto sem tratamento das cidades". 



Agrotóxicos em plantações nas margens também...

 ...ajudam a proliferação de algas que mudam a cor das águas do Velho Chico por ali...




(Confira mais informações na seção de comentários deste blog da gente, dê uma olhada também no vídeo que o blogueiro ecologista de Alagoas Adalberto Gomes nos enviou, OK?)



...além do excesso de algas, agrotóxicos e...

...pouca água, poucos peixes...


Fontes: BBC - folhaverdenews.blogspot.com


terça-feira, 21 de janeiro de 2020

EMERGÊNCIA CLIMÁTICA DIANTE DO ESTADO DA NATUREZA AGORA PARA EVITAR O CAOS DO MEIO AMBIENTE OU O COLAPSO DO CLIMA E DA VIDA EM TODO PAÍS E NO PLANETA

Livro de jornalista se tornou best seller na América do Norte dando mais argumentos à Greta Thunberg hoje em Davos e à toda nova geração de ecologistas que está  popularizando esta luta algo que coloca o Brasil mais ainda na contramão dos fatos



Livro deste jornalista virou best seller no tema que...

 ...que é prioridade para a nova geração de ecologistas


Temas relacionados ao estado da natureza estão cada vez mais em debate, em especial fora do Brasil, por exemplo nos Estados Unidos, onde o jornalista norte-americano David Wallace-Wells, editor da New York Magazine, está lançando o livro A terra inabitável: Uma história do futuro, onde explora a extensão dos danos ao meio ambiente e a urgência de se agir em prol da natureza como forma de tentar minimizar uma verdadeira catástrofe do clima, com a recuperação da ecologia da vida.. O livro se tornou best-seller na lista do New York Times. Na mesma pauta, o fórum econômico mundial em Davos abriu hoje espaço para Greta Thunberg se pronunciar no evento em nome da nova geração de ecologistas que pedem urgência em ações para mudar a situação limite do meio ambiente terrestre. 



O livro, as ruas e os cientistas no mesmo foco


O livro de David Wallace-Wells está sendo lançado em nosso país, pela Companhia das Letras, em tradução de Cássio de Arantes Leite, o que é uma boa no sentido de avançar os argumentos deste autor, também por aqui: ele afirma no seu livro que o homem ignorou a mudança climática por tempo demais. Parte disso, diz ele, se deve à ação da mídia, que tende a comentar o tópico de modo excessivamente otimista, dando ao público uma ideia errônea da severidade do problema. Segundo Wallace-Wells, é hora de mudar esse tipo de comportamento: “O principal é que a imprensa simplesmente conte a verdade sobre o que está acontecendo no meio ambiente. Durante muito tempo, jornalistas relutaram em falar sobre o clima porque achavam o assunto entediante, pensavam que o público não estaria interessado. Mas é nosso trabalho contar toda essa história agora honestamente”. David acredita que haja muitos outros motivos por trás da demora em encararmos os fatos. Para ele, a novidade do assunto tem um papel importante nesse aspecto: “A mudança climática ainda é algo relativamente recente. Os primeiros avisos sobre o aquecimento começaram a ser feitos no fim da década de 80. Uma verdadeira mudança de perspectiva pode demorar mais do que 40 anos para se infiltrar em nossos pensamentos e hábitos”, ele opina com dados que historiam a luta do movimento ecológico e científico, agora se popularizando com toda uma nova geração de atvistas pela clima e pela vida na Terra. 


Em algumas regiões brasileiras os sinais já são claros...

...e apesar da omissão dos políticos os jovens já se posicionam sobre mudar e avançar

De acordo com o jornalista americano, tudo está se alterando muito rapidamente: Desde 1980, já fizemos mais dano à atmosfera do que em qualquer época antes disso. Acho que os políticos estão começando a perceber que os efeitos da mudança climática não virão apenas a longo prazo. Espero que nossos líderes se atentem a isso”. Um argumento similar ao da nova geração já indo à ruas em vários países e ao clamor dos cientistas ambientais. Um dos fatores que justificam um estado de emergência climática é a reação humana ao aquecimento do planeta. Segundo David Wallace-Wells, nós possuímos uma espécie de viés cognitivo que nos impede de agir diretamente a favor da natureza: “Vivemos em negação, como adolescentes, em relação à cultura da vida. Quando o assunto é a luta pelo equilíbrio no meio ambiente, esse tipo de comportamento nos desacelera.
Para além da negação involuntária pela qual todos passamos, há aqueles que se recusam a acreditar que a mudança climática sequer exista e aí quando estas pessoas são dirigentes de países, a situação se agrava ainda mais".



O aquecimento da temperatura detectado pela ciência...

 ...já aumenta o processo de desertificação...

...nascentes e rios secam mas os jovens clamam


(Confira mais tarde por aqui na seção de comentários no blog da gente mais informações sobre em especial o que seria a decretação de um estado de emergência climática e vídeo já postado em nossa webpágina relata como foi a participação de Greta Thunberg no seu alerta em Davos na Suiça)



O debate sobre a "Terra inabitável" se reflete...

...também em manifestações cada vez maiores...
 ...agora já é hora de priorizar o futuro da nossa vida



Fontes: veja.abril.com.br - New York Magazine - Reuters
                folhaverdenews.blogspot.com 



segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

100 ANOS DO SENHOR CINEMA QUE GOSTAVA DE MISTURAR REALIDADE COM IMAGINAÇÃO: FEDERICO FELLINI DESPERTOU MUITA GENTE PARA A ECOLOGIA HUMANA

Ele aniversaria neste 20 de janeiro isso se não tivesse morrido em 1993 mas permanece atual e para celebrar a data 3 filmes do cineasta italiano serão exibidos nesta 2ª feira pelo Telecine Cult para assim celebrar a memória deste mágico da arte do cinema e da emoção de viver



Fellini mudou a linguagem do cinema com os sonhos invadindo a realidade da vida


Fellini participou das primeiras realizações do Neo Realismo (cinema de rua e documental pós 2ª Guerra Mundial) mas ele realmente encontrou o seu estilo ao criar uma sequência de filmes que agora até podem ser vistos no patamar de um Realismo Mágico, ou seja, mostra a realidade mas também o mundo da imaginação. Federico chegou a explicar quando ganhou um dos Oscars na década de 60 que ao contrário de Hollywood (uma indústria de filmes que através da emoção de suas produções "alienava" o espectador da realidade e "vendia" o american way of life). Ele argumentou então que filmava sonhos e sentimentos para libertar as pessoas da violência e do consumismo. Nesse sentido que o Federico Fellini é visto hoje como um pioneiro da ecologia humana ou da cultura da vida e até da não violência. Ele alertava sobre a repressão ou as amarras da sociedade de consumo com uma visão crítica da realidade através da imaginação sem limites, com liberdade: esta é a opinião do editor deste blog Folha Verde News, repórter que também atuou tanto como documentarista, como autor de cinema e de TV: "No sentido cultural, eu não fui o filho que Fellini não teve nem ao menos fiz os filmes com que ele inspirou para toda uma geração, até no Brasil, onde a gente teve a desculpa da censura que limitou demais todo o trabalho de criação com um conteúdo crítico e inovação de linguagem até o final dos anos 80, uma época em que começou a declinar o próprio cinema, pelo menos na vertente dos filmes de arte a marca do genial autor Federico Fellini. Mas foram filmes de arte como 8 1/2 e o semi documentário Roma, entre outros, que despertaram muita gente, (eu também) para a ecologia humana, a busca da liberdade total de expressão na vida do ser humano", é qo que escreve aqui Antônio de Pádua Silva Padinha. 




O criativo menino cartunista de Rimini...


,,,virou um genial cineasta de Roma e do mundo

...Continuou desenhando sempre: esta imagem aqui foi extraída de publicação em 2008 da Fondazione Federico Fellini, "O Livro dos Sonhos de Fellini"...




Confira o vídeo
https://www.youtube.com/watch?v=6TsElhgMeXE


Mesmo que esta visão seja em parte polêmica e ainda não assimilada por todos os estudiosos do cinema, como enfocou o repórter Daniel Medeiros o jornal Folha de Pernambuco (região do Brasil que virou hoje um polo de produção de filmes) "pelo menos temos que concordar que este grande cineasta italiano fez história ao apresentar uma nova forma de fazer a sétima arte". 




 Aqui criança ao lado do seu irmão menor Ricardo...

...Fellini cresceu com a grandeza dos seus filmes...

...que marcam a história do próprio cinema


Federico Fellini completaria 100 anos hoje (20 de janeiro de 2020), se não fosse o ataque cardíaco que o levou embora em 1993. Quase três décadas após a morte deste genial cineasta italiano, sua obra segue como referência para os amantes do cinema. Não é à toa que o termo felliniano entrou para o dicionário dos cinéfilos como um adjetivo que evoca uma estética barroca, exuberante, criativa, inovadora e ao mesmo tempo popular, que passou a ser a marca registrada do diretor que nasceu em Rimini, na região de Roma e que foi visto como um cartunista de muito talento antes de se dedicar a fazer filmes, como aliás mostra o vídeo A história de Fellini postado também aqui no blog da gente. Dê uma olhada, que estes youtubers contam muito bem quem foi este roteirista e diretor italiano, fundamental para a evolução desta arte bem no início da era da imagem. 



As criações livres, ousadas e criativas...

...com intérpretes de muito talento como Marcelo Mastroniani e Anita Ekberg...

...Fellini se tornou uma espécie de Charles Chaplin para adultos...


"É inegável que Fellini faz parte do primeiro time do cinema mundial, ele não só é um daqueles cineastas que fizeram filmes muito bons e além do mais, mudaram a linguagem cinematográfica e formularam novas soluções para o avanço do cinema", opina por sua vez Paulo Cunha, que atua na mídia como produtor cultural e é curador cinematográfico da Universidade Federal de Pernambuco. 





 ...satirizando a si mesmo e a vida...

...documentando o circo da tristeza e da alegria...

..ele revelou a alma humana com a visão sincera de um menino...

...e se consagrou com um dos cineastas mais premiados e admirados do planeta pela linguagem dos seus filmes


Vídeo de 2012 do Canal Brasil em que Caetano Veloso fala com paixão sobre os filmes de Fellini que inspiraram o seu trabalho, também na época do Tropicalismo                           https://www.youtube.com/watch?v=Vq4fkKsX_Bs


(Confira depois na seção de comentários deste blog de ecologia e de cidadania mais dados e opiniões sobre o cinema de Federico Fellini e vale a pena, desde já,  curtir o vídeo nesta webpágina contando a história deste mago do cinema italiano, vanguarda do ser humano)




Vale demais rever tudo o que ele criou...

...visitando o passado para criar o futuro...

...invadindo a violência da vida...

 ...com a liberdade dos seus filmes...


...onde o sonho criticava os limites da...

 ...os limites da realidade do ser humano



Em resumo a notícia hoje é que o canal de TV pago Telecine Cult exibirá três clássicos deste diretor nesta segunda: Noites de Cabíria (1955), às 16h45, A Doce Vida (1960), às 18h55, e (1963), mas em todos os países da Terra nesse dia 20 de janeiro será o dia mundial de Fellini com mostras de seus filmes, também várias exposições sobre a vida e a arte deste contemporâneo do futuro, avançado para a época em que ele viveu. E cabe então a nós o desafio de criar o futuro, para que ele exista, hoje, ameaçado pelo caos da vida, do clima e do meio ambiente, nem precisa ser um cara tão sensível como Fellini para acordar dos sonhos de consumo para esta realidade aqui, agora.   




Junto com sua companheira de sempre...

...e com amigos e amigas inteligentes....

...Federico Fellini conseguiu criar um conjunto de...


...filmes que marcam a luta do ser humano para superar os limites da realidade e ser feliz



Fontes: folhape.com.br - AFP - BBC - Cinecittà
               folhaverdenews.blogspot.com


Translation

translation