domingo, 15 de julho de 2018

COMO FUTEBOL FOI TIPO UM JOGO DE VÁRZEA MAS A FINAL DA COPA DO MUNDO SE TORNOU UM EVENTO MAIOR PONDO A PEQUENA CROÁCIA NO MAPA E CONSAGRANDO A FRANÇA QUE FICOU GRANDE TAMBÉM POR CAUSA DOS IMIGRANTES E DOS NEGROS NA SUA SELEÇÃO


Aqui, homenagem às duas seleções que fizeram a finalíssima do mundial 2018

França 4 -  Lloris; Pavard, Varane, Umtiti e Hernández; Pogba, Kanté (Nzonzi), Mbappe, Griezmann e Matuid (Tolisso); Giroud (Fekir)
X
Croácia 2 - Subasic;  Vrsaljko, Lovren, Vida e Strinic (Pjaca); Rakitic, Brozovic, Rebic (Kramaric), Modric e Perisic; Mandzukic 


Mbappe, o cara da Copa

O líder Vida e os heroicos atletas da Croácia


A Terra é Azul: repetindo o astronauta russo Gagarin, o site Gazeta Esportiva fez esta criativa manchete da final da Copa do Mundo na Rússia, França 4 X 2 Groácia. Cá entre nós, mesmo com centenas de profissionais em ação, os equipamentos mais tops e toda multimídia, as TVs ao vivo não conseguiram disfarçar que a final como um jogo de bola mesmo sendo um espetáculo global e mundial teve um clima de várzea, teve lances de beleza mas também frangos de goleiros, faltas que não foram faltas, gol contra e tudo mais. Affonso Nunes, repórter do jornal e site JB, destacou que os franceses chegaram ao título graças a um futebol pragmático, objetivo, com todos os jogadores ajudando a marcação, deixando pro talento de Griezmann, Mbappé e Pogba a definição lá na frente. Esse era o plano de jogo de Didier Deschamps, treinador que havia sido campeão mundial como jogador (contra o Brasil na Copa de 98), sempre foi capitão, líder, estrategista. Umiti e mais meia dúzia de negros deram um toque de balé nos seus movimentos de arte da bola, alguns lances da Croácia atingiram o mesmo ápice, talentos como Perisic, Mandzukic e o também exjogador e técnico Zlatko Dalic, com destaque maior para o excepcional zagueiro e líder Vida, ainda que Modric tenha ficado com a bola de ouro, prêmio de melhor da Copa de 2018, consolação pros croatas que lutaram até o fim pelo título com toda honra, esportividade e amor, algo que engrandece este povo do Mar Adriático. Porém, era dia dos Bleus e independente de alguns erros do juizão argentino (Nestor Pitana), a França pela sua objetividade ou inteligência para jogar, mereceu conquistar o título de bicampeã mundial de futebol. O pessoal aqui de casa chiou quando viram que eu vi a final como um jogo de várzea, sim, mas é real, até a chuva no fim deu um tom de realidade à ilusão do futebol. Mas, realmente o evento foi maior porque conseguiu através do esporte colocar lado a lado Vladimir Putin com a simpática presidente croata Kolinda Grabar-Kitarovi (apesar das diferenças políticas em relação à Rússia e à Ucrânia), mostrando também a face humana do jovem que preside a França de tantos negros e imigrantes, Emmanuel Macron, que com essa vitória do seu país ganha mais força para lutar local e mundialmente por suas propostas humanitárias e de desenvolvimento sustentável, anti combustíveis fósseis, a favor de energias limpas e duma economia mais ecológica. Este é um fator especial de alegria para todos os que no esporte ou na vida lutam pela liberdade, pela união das raças, pela paz futura. A Seleção Brasileira com tantos negros na população tinha um ou outro jogador não branco, a França, atual líder da nova Europa, jogou com uma seleção na sua maioria negra e essa foi a sua força (e isso fica de exemplo pro Brasil, um país ainda racista, que por causa do futebol business e seus astros, perdeu a arte da bola e foi o maior derrotado na Copa da Rússia de 2018. (Antônio de Pádua Silva Padinha, editor de Folha Verde News).


 A Croácia entrou no mapa mundi via a Copa do Mundo

O maior perdedor da Copa foi ele (o Brasil enfim)

 A França comemorou com o povo na rua

A presidente croata exemplo de político de verdade

O selfie mais poderoso da Copa...

Macron ganha força para liderar a nova Europa

 Azuis e negros: a união da vitória

 Do Brasil só Ronaldinho Gaúcho (arrasou no show de encerramento)


Fontes: Sportv – JB – Gazeta Esportiva – BBC - Fifa fotos
              folhaverdenews.blogspot.com

sábado, 14 de julho de 2018

BRASIL GANHA OURO NO MUNDIAL DE MATEMÁTICA MAS MESMO ASSIM FICA APENAS NA 28ª POSIÇÃO DO RANKING DA OLIMPÍADA INTERNACIONAL (IMO)


Brasileiro de 17 anos se destaca e conquista medalha de ouro agora na Olimpíada Internacional de Matemática que aconteceu na Romênia com a participação de 594 jovens de todas as regiões do planeta


Pedro Lucas de 17 anos e de São Paulo foi o destaque do Brasil

O estudante paulista de 17 anos, Pedro Lucas Lanaro Sponchiado, de São Paulo, está sendo um dos principais destaques hoje em sites como o DW da Alemanha e o Terra no Brasil mesmo porque é uma exceção, na classificação geral nosso país não se destacou na pontuação geral, nesta edição do evento cultural em 2018, os Estados Unidos terminaram em primeiro lugar no ranking e a Rússia, em segundo, a China ficou em terceiro e a equipe brasileira terminou na 28ª posição no quadro geral, superando o resultado alcançado na olimpíada anterior, disputada no Rio de Janeiro quando havia ficado na 37ª colocação, com duas medalhas de prata, uma de bronze e duas menções honrosas. Agora, nesta nova Olimpíada Internacional de Matemática (a competição de maior prestígio mundial para os estudantes do ensino médio), além do Ouro conquistado pelo Pedro Lucas (que estuda no Colégio Etapa em São Paulo), a nova geração brasileira conseguiu 4 medalhas de Bronze e uma menção honrosa. Ouro na IMO Pedro Lucas Lanaro Sponchiado se torna o primeiro brasileiro a vencer esta competição, que acontece desde 2012. Já é um alento para o nosso país, mesmo com tão poucos investimentos em Educação e Cultura: o futebol teve verbas milionárias, todo apoio da grande mídia e ficou somente numa posição intermediária agora na Copa do Mundo na Rússia. 


Em Cluj-Napoca na Romênia a equipe brasileira foi à luta

Participaram quase 600 jovens de 50 países


 Pedro Sponchiado acertou 35 dos 42 pontos possíveis vencendo as provas da competição, ficando na classificação final na 12ª posição na classificação mundial. A olimpíada deste ano foi realizada em Cluj-Napoca, na Romênia, contou com a participação de 594 jovens e mobilizou torcidas e a mídia de alguns países onde se dá maior atenção ao setor que é o mais importante para um avanço ao futuro, a educação. Além do jovem de Ouro, Pedro Lucas Lanaro Sponchiado, de São Paulo, outros quatro brasileiros receberam medalhas de Bronze: Bruno Brasil Meinhart (17 anos) e Pedro Gomes Cabral (15), de Fortaleza; também Bernardo Peruzzo Trevizan (16) e André Yuji Hisatsuga (18), de São Paulo. Lucas Hiroshi Hanke Harada (17), também paulista foi uma menção honrosa pelo seu desempenho. Os 6 representantes do Brasil foram escolhidos depois de quatro provas seletivas feitas entre os melhores colocados na 39ª Olimpíada Brasileira de Matemática (OBM). A equipe de novos talentos foi comandada pelos professores Régis Prado Barbosa, de São Paulo, e Armando Barbosa Filho, de Fortaleza que estão voltando felizes com a performance dos jovens.

 A repercussão na mídia brasileira foi pequena (como sempre)...

...conquistas culturais deveriam ser muito mais apoiadas aqui


"A conquista veio depois dum trabalho realizado há vários anos, com a preparação dos representantes brasileiros para a olimpíada internacional", comenta Claudio Landim, diretor adjunto do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA), que é um centro de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. A entidade coordena as olimpíadas nacionais de matemática e foi responsável por treinar a equipe brasileira. Repórteres da agência de notícias AFP pediram a ele uma comparação deste resultado dos estudantes na IMO com o que aconteceu na Copa do Mundo de futebol na Rússia. Cláudio Landim apenas sorriu sem esconder uma expressão crítica. "Com um pouco mais de investimentos públicos na área educacional brasileira, nossos talento da nova geração poderiam ser destaque mundial e não só em Matemática", comentou por sua vez, aqui no blog da ecologia e da cidadania, o nosso editor de conteúdo Antônio de Pádua Silva Padinha: "A gente está postando hoje a conquista de Ouro, Bronze e outros bons resultados na Olimpíada de Matemática justamente para cutucar a CBF e o futebol business do Brasil, que em termos de custo e benefício foi um fracasso, é preciso mudar nos esportes, na educação, na cultura, também no meio ambiente e em todos os setores que possam mover um desenvolvimento sustentável em nosso país". 

A nova geração de Einsteins esteve na Romênia...

...já na Copa da Rússia não pintou novo Pelé e Garrincha


Brasil precisa multiplicar os investimentos em educação e cultura

 
Fontes: DW (Deutsche Welle) – Terra - AFP
              folhaverdenews.blogspot.com

sexta-feira, 13 de julho de 2018

CROATAS CITARAM UCRÂNIA PARA CRITICAR A VIOLÊNCIA DA RÚSSIA CONTRA POVOS ESLAVOS QUE LUTAM POR INDEPENDÊNCIA NÃO SE TRATANDO DE NEOFACISMO E SIM DE PURO AMOR À LIBERDADE E AO DIREITO À VIDA

A final da Copa da Rússia não será somente futebol, tem mais significados ainda que confusos mas me fazem torcer por intuição pela Croácia, embora como todo brasileiro eu ame todos os povos do mundo: assim, Glória à Ucrânia e Vive La France, no futebol e na vida, mas que vença os que estão agora mais próximos da arte da bola ou do amor à justiça e à liberdade


O líder Vida e seu menino símbolo da Croácia
Ucranianos agradecidos manifestam sua torcida pela Croácia

Torcedores croatas homenageiam a Ucrânia e criticam a Rússia


É uma realidade complexa para nós brasileiros porém na minha opinião precisamos estar atentos e informados, me parece que esta Copa do Mundo na Rússia é também uma oportunidade cultural, serve para a gente entender e respeitar povos distantes da nossa realidade que, cá entre nós, nossa realidade também não é lá estas coisas. Mas enfim, você vai fazer qual saudação amanhã na final França X Croácia: Vive La France ou Glória à Ucrânia? Ambas são frases protocolares mas expressivas que no fundo significam viva a liberdade: torcer pela seleção da Croácia ou da França é apenas futebol e questão de gosto porém existem alguns conteúdos diferentes. Sendo sincero, não compreendo exatamente todos os conteúdos, é algo complexo, a começar pelas palavras em língua ancestral cheia de consoantes. No meu caso, eu sou anti nazifascista por opção e até pela minha história de vida, mas assim como jogadores croatas também digo Glória à Ucrânia, como também os integrantes do movimento de cidadania ligados ao Centro dos Direitos Humanos Memorial. Eles têm feito manifestações que não têm nada a ver com asseclas tardios de Adolf Hitler e sim, com a luta pela independência da Ucrânia em relação à toda poderosa Rússia capitalista, que não tem nada a ver com algum socialismo ainda mais atualmente, a Rússia na prática e nas política atual é mais tipo um imperialismo, o governo russo anexou o território da Crimeia por voracidade em relação às reservas de petróleo desta região. O simpático povo russo também não tem nada a ver com essa violência do Governo Putin. Na minha visão, os croatas são como este movimento (que me parece humanista) o Memorial, eles são contra a Rússia porque ela acabou por outros interesses a separar o povo ucraniano pelo meio, em dois, metade a favor duma independência nacional e aproximação maior com a Unidade Européia, metade ligada à influência dos russos e dos seus aliados tradicionais, os sérvios, por sua vez, inimigos ancestrais dos croatas e por aí vai. Algo confuso e difícil da gente entender aqui no Brasil que é indígena, branco, negro, latino, com formação fortemente europeia mas também influenciado demais pelos norteamericanos, o que é uma outra feijoada de sentimentos e de significados complexos. Imagine a gente aqui entender a intenção do jogador Vida e do ex-jogador Ognjen Vukojevic, criticados pela mídia, pela Rússia e pela Fifa por gravarem no Facebook a saudação do povo eslavo Glória à Ucrânia. Eles se explicaram (talvez para não serem punidos) que como haviam os dois jogado no Dínamo de Kiev (capital ucraniana) queriam homenagear este povo de que são amigos. De toda forma (se eu estiver equivocado me corrijam) esta saudação não tem sentido ultranacionalista e sim de simpatia a uma população minoritária que luta por sua independência política e econômica em relação à Rússia, hoje, assim como os Estados Unidos por aqui, lá dona de tudo e de todos. Uma saudação pela liberdade dum povo nativo. Até me lembro dos nossos índios. Nesse sentido, hoje aqui no blog da ecologia e da cidadania Folha Verde News a gente é Ucrânia (deveríamos grafar e falar Ukraina), estamos postando o vídeo nesta webpágina uma espécie de oração (hino espiritual) pelas terras e pelo povo ucraniano. Confira. Não sei se você conferiu dias atrás aqui mesmo no blog da gente um post sobre Oleg Sentsov, cineasta ucraniano, preso político da Rússia, que estava fazendo greve de fome há mais de um mês para ser libertado. Oleg luta pela sua liberdade e para que sejam libertados todos os presos políticos da Ucrânia, aprisionados injustamente, segundo ele. Eles talvez cheguem a 100 ativistas presos por atividades contra a Rússia do presidente Putin. Há repórteres e humanistas que falam que estes ativistas estão presos ilegalmente. Além de Oleg Sentov, estavam fazendo greve de fome pela libertação dos presos políticos ucranianos, também Aleksandr Shhumkov e Volodymyr Balukh. A BBC e a Anistia Internacional citaram que hoje fragilizados pelo jejum de tanto tempo, todos estão fracos em sua saúde física e só não morreram porque foram alimentados à força, com sondas pelo nariz. Se morressem nessa manifestação de não violência, se tornariam mártires da liberdade do povo da Ucrânia, embora as autoridades russas tenham explicado que estão alimentando à força os três rebeldes por uma obrigação de estado de proteção dos seus prisioneiros. É mais uma situação confusa. Pela intuição ou pelo meu amor à liberdade de manifestação e ao direito à vida, eu digo mais uma vez em solidariedade a Oleg e outros presos por razões políticas, Glória à Ucrânia. Peço a Deus por este povo, que tem sofrido na sua história recente tanto quanto a Croácia sofreu tanto tantas guerras, ali do lado de lá do mar Adriático, vizinhos da Itália e portanto primos dos meus parentes imigrantes italianos. Mais uma vez confusamente, de maneira intuitiva e por solidariedade aos pequenos diante dos grandes, estou transferindo todos estes conteúdos culturais e sentimentais para o futebol. Assim, declaro minha torcida pela Seleção da Croácia, que tem sido solidária ao movimento pela libertação da Ucrânia, mesmo consciente que o selecionado da França proclama igualdade, fraternidade, liberdade no seu hino nacional (que remonta à Queda da Bastilha, por sinal, comemorada hoje, véspera da final da Copa). Mesmo que os franceses tenham como presidente Macron indo à luta pelo desenvolvimento sustentável, mesmo com toda a simpatia que todos temos pela população francesa, sentimental e inteligente ao mesmo tempo, mesmo tendo na sua seleção vários afroatletas (negros bons de bola), mesmo assim, estou torcendo pela Croácia no sentido pequenos versus grandes, Davi contra Golias. A França já foi campeã mundial, a Croácia não e os croatas estão praticando um futebol que mistura talento e garra na medida mais heroica. Por tudo isso quero ver a Croácia entrando no mapa mundi sendo campeã do mundo, mesmo que seja apenas num jogo de bola. E espero que esta minha declaração pública não me faça vir a ser mais um prisioneiro político da Rússia. (Antônio de Pádua Silva Padinha, ecologista e esportista)


A Copa é só futebol mas tem muito mais coisa em jogo
Suíços também se manifestaram politicamente (a favor da Albânia, contra a Sérvia)

O símbolo ancestral da Ucrânia tema de canção do nosso vídeo hoje



Fontes: BBC – G1 – AFP – Reuters – Fifa
              folhaverdenews.blogspot.com
         


quinta-feira, 12 de julho de 2018

AQUI NOVAS OPÇÕES SUSTENTÁVEIS PARA O TRANSPORTE PÚBLICO PARA AS CIDADES DO PAÍS NÃO SEREM TÃO POLUENTES AJUDANDO A ECONOMIA, A ECOLOGIA E A MOBILIDADE DA POPULAÇÃO

Algumas alternativas de transporte coletivo como o VLT e o Metrô  enfrentam crises e  problemas crescentes neste setor carente por aqui nas cidades em geral do Brasil de rapidez no trânsito, conforto e soluções sustentáveis

O VLT já está sendo implantado em Teresina no Piauí




Os combustíveis fósseis apresentam desafios cada vez maiores nas cidades, além de contribuírem para a emissão de gases, eles são sujeitos à fragilidade de abastecimento, prejudicando todos os centros urbanos. Diversos países estão tomando medidas concretas para diminuir o consumo de combustíveis tipo diesel ou gasolina nos sistemas de transportes. Na Alemanha, há um projeto em andamento que visa proibir veículos movidos à combustão interna no país em breve. A medida deve virar lei, prevendo a adoção exclusiva de motores elétricos até 2030. Já o Reino Unido pretende tirar todos os carros a gasolina e diesel das ruas e rodovias até 2050. Além da redução da emissão de gases, a medida também diminui a exposição às limitações logísticas dos combustíveis fósseis. A recente greve dos caminhoneiros foi um exemplo disso, em que o fornecimento de combustíveis no país foi praticamente paralisado, trazendo prejuízos à circulação tanto de automóveis quanto de ônibus e outros modais. O Brasil tem algumas iniciativas no sentido de reduzir a dependência dos combustíveis fósseis, mas ainda não está no mesmo estágio de outros países, nem está executando projetos na mesma velocidade, segundo a gerente de Mobilidade Urbana da  entidade WRI, Cristina Albuquerque: "Algumas cidades brasileiras estão com alguns veículos elétricos, mas hoje ainda são poucas, e vemos prefeituras já ficando focadas no desenvolvimento no transporte coletivo, isso é um bom sinal e precisa virar uma iniciativa concreta, nós brasileiros já podemos aplicar uma infraestrutura mais avançada para o transporte público elétrico e depois para os veículos particulares também, o Brasil nas capitais e em todas as regiões pode fazer esta revolução".



 
Na crise dos combustíveis o VLT Carioca resolveu
 

O VLT Carioca inova e deve avançar

  VLT básico que já faz sucesso no Rio de Janeiro

  Cidades podem tam,bém entrar nos trilhos de trens elétricos

  
Teresina no Piauí busca esse modelo, conciliando a racionalização do transporte coletivo com a redução da dependência dos combustíveis. Para isso, a cidade já adotou um sistema de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) que conta hoje com nove estações, transportando cerca de 10 mil usuários por dia num trajeto que liga a zona sudeste ao centro da cidade. Até o final de 2018, o sistema deve contar com três veículos em pleno funcionamento, na segunda etapa do projeto, devem ser adquiridos mais três VLTs, além da duplicação da linha férrea, da reforma de cinco estações e da construção de outras duas. Ao fim dessa fase de avanço, essa rede será capaz de transportar até 40 mil passageiros por dia. "Com o crescimento da frota de veículos em nossa cidade, que ganha 2 mil novos carros por mês, é cada vez mais necessária a implantação de um sistema que faça as pessoas utilizarem o transporte público, ajudando a desafogar o trânsito e melhorando a qualidade do ar e da vida da população",  defende o secretário dos Transportes do Piauí, Guilhermano Pires. O Rio de Janeiro também se beneficia da sustentabilidade desse modal. Operando desde 2016, o VLT Carioca conta com duas linhas e 26 paradas, retomando uma tradição antiga da cidade (a dos bondes elétricos), mas agregando tecnologia e pontualidade ao transporte sobre trilhos. Durante a greve dos caminhoneiros, enquanto outros sistemas sofreram reduções ou interrupções, o VLT operou normalmente, transportando passageiros no centro e na região portuária do Rio. Para o presidente do VLT Carioca, Marcio Hannas, a confiança e a percepção de valor da população são fatores de sucesso do sistema: "O VLT busca entregar diariamente na operação pontualidade com segurança, a última pesquisa de satisfação, que foi realizada pelo Datafolha, aponta aprovação de 92% do público, o que nos alegrou, mas estamos todos conscientes da responsabilidade de manter e melhorar ainda a qualidade do serviço". 


Nas grandes e médias cidades o transporte já é um caos
Passageiros no sufoco (merecem mobilidade, conforto , rapidez)

(Confira na seção de comentários deste nosso blog de ecologia e de cidadania mais informações sobre migração de passageiros, sobre o Metrô de São Paulo e a necessidade de avançar o transporte público a bem também do trânsito, dos ciclistas e dos pedestres)



CET fez concurso popular sobre drama do transporte


Fontes: WRI – G1 – folhaverdenews.blogspot.com

quarta-feira, 11 de julho de 2018

SMOG NO AR E A SECA JÁ AGRIDEM A SAÚDE DO AMBIENTE E DA POPULAÇÃO EXIGINDO CUIDADOS: NESTA ÉPOCA DEVERIA HAVER GESTÃO AMBIENTAL ESPECIAL POR PARTE DOS GOVERNOS

Não só nos grandes centros urbanos até em médias cidades já ocorre o smog (mistura de poluição com a neblina): médicos e ecologistas alertam sobre cuidados especiais com a saúde e o meio ambiente nesta época da seca quando além do mais acontecem até 50 queimadas por dia em várias cidades e regiões do interior por aqui e em de todo o centro sul do país. Você sabe de alguma medida especial que os políticos de várias estâncias estejam tomando a bem da ecologia e da qualidade de vida da gente? Na sua cidade já tem smog? Fumaça (smoke) + névoa (fog) mais um problema urbano nesta época agora




Esta foto do site Uol dimensiona o momento


"Com a chegada do inverno e da estiagem, precisamos ficar atentos à hidratação e tomar cuidados também para não provocar queimadas", comenta a repórter Jéssica Eufrázio, do jornal e site Correio Braziliense, ela hoje ouviu especialistas neste tema lá no Distrito Federal, uma das regiões mais críticas no inverno brasileiro. Com a chegada do inverno, não só Brasília (um dos pontos negros no mapa da seca) mas o norte de Minas Gerais e todo o interior do país deveria se preparar para a temporada de seca. Que continua como sempre no Nordeste do país agora também. Fora os cuidados com a saúde, a baixa umidade e a escassez de chuvas, agora se exige mais atenção e alguma medida objetiva para brecar o aumento dos casos de incêndios florestais e de queimadas nos canaviais aqui da região ou em todas as cidades do centro sul do Brasil. 


As queimadas rurais e urbanas agravam a situação agora

O efeito smog da grandes centros chegando em cidades médias




Umidade do ar subiu um pouco em todo São Paulo, mas continua crítica, informa por sua vez Camila Rigi, do Estadão: a média vinha sendo na capital e interior paulista em torno de 20%. Este nível de umidade relativa do ar é bastante prejudicial à saúde humana, pelos critérios da Organização Mundial da Saúde (OMS), esta região e todo o Sudeste já está em estado de alerta. Com a frente fria chegando, a temperatura caiu e a umidade melhorou mas mesmo assim em média deve continuar abaixo dos 30%, algo que fica mais crítico ainda em locais que há acúmulo de terra, pó com ventania, poeira em suspensão, pontos de queimadas e índices maiores de poluição do ar por exemplo no espaço urbano onde aumentou muito o número de veículos em circulação. Até nas médias cidades já começa a aparecer o smog (fumaça dos carros misturada com neblina, smoke + fog) um fenômeno que até pouco tempo era sentido somente nos maiores centros urbanos. 

 
 Já começa a ocorrer smog até longe das grandes cidades

 

Vamos esperar o Brasil virar China para tomar medidas especiais?



O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) chegou a registrar 18% no índice de umidade relativa do ar, por volta das 15 horas, em várias regiões de variadas cidades, também por aqui na nossa macrorregião. Clima de deserto. Apesar da sensação ser de que este inverno está mais seco, não houve medidas especiais por parte das autoridades governamentais em nível federal, estadual ou municipal para atenuar os efeitos da seca e evitar problemas de maior gravidade. A falta de chuvas dificulta a oxigenação da atmosfera, segundo o meteorologista da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) Ricardo Anazia: Com base nos dados do Inmet, a Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec) está divulgando para o interior de São Paulo o alerta de baixa umidade. além de mais nove estados e o Distrito Federal que estão com esta situação, digamos, desértica: Bahia, Goiás, sul do Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, oeste e noroeste de Minas, norte e oeste do Paraná, sul do Piauí e Tocantins. Com exceção do Paraná, a umidade pode atingir índices ainda em pontos mais críticos, por volta de 20% especialmente nos períodos entre 10 e 17h. Uma gestão socioambiental com apoio da tecnologia poderia atenuar os efeitos desta situação. Por exemplo, provocar a precipitação de chuvas de emergência. Parece demais mas isso seria o mínimo, agora. Antes que se propaguem ondas de doenças mais graves ou que se agrave a pouca vazão dos rios e o volume de nascentes ou córregos que secam cada vez mais, alguns para sempre.




Nascentes secando por toda a nossa macrorregião




"Por aqui na Serra da Canastra, no coração do país, entre o sudoeste de MInas e o nordeste de São Paulo, continuam a secar nascentes e a cada ano os rios diminuem a vazão e a gente encontra menos peixes, até em rios como Santo Antônio e o Samburá", nos informou por telefone celular Isidoro Santos Maia que foi agora com seus familiares a uma fazenda de seus parentes perto de Sacramento (MG), como sempre faz quase todos os anos nas férias escolares. Este telefonema fez a gente postar esta matéria aqui no blog. 





(Em nossa seção de comentários aqui neste blog mais informações e mensagens)


Clique nesse texto e amplie para ler melhor


Fontes: Correio Braziliense - Estadão - Exame - AFP
              folhaverdenews.blogspot.com

.  

Translation

translation