sexta-feira, 12 de outubro de 2018

AS CRIANÇAS TÊM A VER COM A ECOLOGIA HUMANA SENDO MUITO ATUAL DISCUTIR ESTE CONTEÚDO AGORA QUANDO SE DESPREZA NESSE PAÍS RURALISTA O NOSSO MOVIMENTO ECOLÓGICO E A CULTURA DA VIDA

Nietzsche questionou: por que a gente deveria imitar e virar criança? Para o filósofo este é o caminho para uma pessoa se tornar livre e espontânea, ajudando a criar em volta um ambiente mais positivo para todos: e hoje é assim que a gente deseja um feliz dia para as crianças de todas as idades


Ser criança em meio ao consumo e à violência


Michel Aires de Souza, pesquisador brasileiro de Filosofia também analisa este tema, resumindo alguns argumentos do filósofo alemão: a criança é pura espontaneidade, necessidade, liberdade, não sente culpa, não tem malicia, é inocência e sua vida consiste em brincar. Ser criança é não guardar mágoa,  esquecem o que fazem a elas. Elas vivem na volúpia do momento, são seres que não conhecem o tempo, vivem dia a dia, hora a hora. São seres extraordinários, que falam a verdade. Já nós adultos construímos nossas vidas com os muros da mentira e nos iludimos, nos enganamos com os apelos da realidade em nossa volta, hoje, cá entre nós, dominada por outros interesses, consumo, injustiças e variadas formas de violência.  Por estas e outras razões, devemos nos ligar mais nas crianças. Para Nietzsche, a criança é um espírito livre, representa a superação dos valores do momento e a criação de novos valores. Ela é pura vontade, puro desejo e pura espontaneidade. A criança é a afirmação da vida, mas também é o esquecimento. Ela deseja a vida, o prazer de viver ou o lazer e as brincadeiras, mas não sente culpa por isso. Elas se esquecem das surras, das injúrias, até da violência da realidade. “Esse poder não sinaliza uma espécie de alienação da realidade e sim grandeza diante da maravilha que é viver”, comenta aqui no blog do movimento ecológico, científico e de cidadania Folha Verde News o nosso editor, o ecologista Antônio de Pádua Silva Padinha, que sobre o valor das crianças para todos nós, citando os budistas, o Gandhi da não violência e Jesus: “De diferentes formas, eles vivenciaram o valor da garotada, a importância de ser criança para ser feliz e viver em paz”.  

 

 Desafio de ser criança hoje no Brasil

“Somente as crianças podem criar novos valores. Somente elas podem criar novos universos através de sua imaginação. A criança é em sua própria natureza um artista. Ao brincar ela cria e recria, constrói e destrói, pinta e apaga tal como o artista. Ela é livre para criar novas realidades. Quando somos crianças, somos espontaneidade, liberdade, vontade.  A criança parte de uma perspectiva afetiva.  Ela não entende o mundo dos adultos, faz porque deseja, faz porque gosta, faz sem pensar, pela mais pura intuição. Essa capacidade da criança de ter liberdade foi perdida quando nos tornamos adultos, tão mais infelizes quanto mais abandonam o seu lado infantil de viver por viver” (resumo de conceitos do filósofo Nietzche, feitos por Michel Aires de Souza): “Através dos bons costumes o homem civilizado aprendeu a sufocar seus afetos e seus desejos. Ele não segue suas inspirações ou o seu sentido interno tal como a criança. Ele nem ao menos sabe o que sente e o que quer.  Para muitos adultos,  é difícil se libertar do peso, da carga que nos impõe a vida, e dos valores que nos subjugam. Somente a criança é livre e autônoma. Ela é a inocência e o esquecimento, um novo começar, um brinquedo, uma roda que gira sobre si, um movimento, uma santa afirmação”.  



 


Aqui, ali, lá e acolá...

Todos estes conteúdos nos remetem à ecologia humana ou à não violência e à cultura da vida, ao equilíbrio que o ser humano precisa ter e não tem como deveria na atualidade do país e da sociedade de consumo, na escravidão da moda, nos limites e nos erros da mídia, nas manipulações da realidade por interesses políticos e por aí vai. Enfim, vale muito hoje Dia da Criança a gente enfocar esta data como um ponto de vista crítico dos poderosos adultos, mais ainda nesse momento do Brasil, onde a população parece estar drogada por outros sentimentos e outros pensamentos, dominada por líderes que desprezam a criança que sobrevive dentro de nós como uma necessidade para a gente ser humano: “Quem está contra a ecologia não precisa ser odiado e nem ter inimigos, ele será destruído pela própria natureza”, resume Padinha, o editor deste blog ambientalista: “Nem precisamos citar nomes deste ou daquele político brasileiro atual, eles passarão e o que vai ficar é a verdade da vida e a pureza das crianças".

 

Fontes: NIETZSCHE, F.  A gaia ciência. Trad. de Paulo César de Souza. São   Paulo: Companhia das Letras - NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal: Prelúdio a uma filosofia do porvir. NIETZSCHE, F. Assim Falou Zarathustra. Martin Claret – Google - folhaverdenews.blogspot.com

8 comentários:

  1. "Diogo Nogueira cantando a poesia de Gonzaguinha tem tudo a ver com a visão crítica deste texto hoje aqui neste blog": este foi o 1º comentário que nos foi enviado por e-mail aqui pro Folha Verde News, comentário de Nilo Peres, do Rio de Janeiro, estudante de Psicologia da PUC.

    ResponderExcluir
  2. Logo mais, aqui nesta seção, mais informações, textos, opiniões, coloque aqui sua mensagem ou envie pro e-mail da redação deste blog navepad@netsite.com.br

    ResponderExcluir
  3. Vídeos, fotos, material de informação, pautas, sugestões ou críticas mande com liberdade diretamente pro e-mail do nosso editor ecologista e então também uma criança em potencial, mande para padinhafranca603@gmail.com

    ResponderExcluir
  4. "Os adultos precisam se ligar, nunca pensei que até um filósofo como Nietzsche enfocasse a ecologia que é ser criança ainda mais numa realidade como a nossa hoje em dia e não só no Brasil em toda sociedade de consumo que vejo também como uma cultura da violência": comentário de Cristhina Marques, produtora cultural que está preparando um trabalho sobre violência para o Enca online, encontro nacional de comunidades rurais alternativas. Voltaremos a este assunto.

    ResponderExcluir
  5. "Passar por cima da violência da realidade, isso, só alçando um vôo bem alto nesse pais de hoje": comentário de Júlio Abreu, de Belo Horizonte (MG), que nos manda uma matéria sobre crianças indígenas enterradas vivas no Mato Grosso do Sul: a gente não vai postar hoje este conteúdo, mas sim, vamos preparar outra postagem, agradecemos o seu apoio e a sua participação, Júlio, paz aí no seu trabalho cultural. Ele é ator e autor de teatro.

    ResponderExcluir
  6. "Oi, nesse feriado eu estava de boa e vendo no Facebook uma chamada, li aqui esta postagem, aí tomei uma decisão. Tinha comprado um brinquedo assim meio criativo, simples mas bom prá minha criança. Levando em contra o que li, resolvi brincar junto com minha filha": comentário de Pedro Lima Xavier, de Santo André (SP), que ainda comenta: "Por aqui no ABC a vida anda violenta e quero fazer minha filha se livrar disso".

    ResponderExcluir
  7. "Olha, muito legal essa matéria, mas a situação do ser humano é complicada. Para Nietzsche, a natureza humana é uma pluralidade de impulsos e afetos, tal como percebemos nas crianças. Desse ponto de vista, a natureza humana surge ligada à vontade, ao poder e ao crescimento da força. Todos os impulsos humanos buscam dominar e todos eles buscam prevalecer uns sobre os outros. O espírito humano é uma estrutura social de impulsos e afetos, ávidos por dominar, todo ser humano e aliás todo ser vivo querem é um pouco mais de força, um pouco mais de potência, em suna, a violência está em toda a nossa vida, mas tudo bem que podemos tentar um avanço da nossa espécie": comentário de Maura Lucas Pinheiro, do Rio de Janeiro, professora de Yoga no Leme.

    ResponderExcluir
  8. "Acho que a gente deveria deixar as crianças mais livres e soltas, dando informações e bons exemplos, não repressão. O Nietzsche mesmo escreveu que Se estudarmos a história das leis penais e das práticas religiosas, em toda história da civilização, vamos perceber que elas formam um sistema de crueldades, que domesticaram o homem para viver em sociedade. O homem aprendeu a ser bom e responsável através das leis penais e da religião, também do medo. Deveríamos arriscar mais e deixar a criançada mais livre, nesse ponto me lembro de Liberdade Sem Medo, um livro clássico da psicologia das crianças": comentário também de Maura Pinheiro, Yoguin, Rio de Janeiro, produtora de arte e cultura alternativa.

    ResponderExcluir

Translation

translation