quinta-feira, 12 de julho de 2018

AQUI NOVAS OPÇÕES SUSTENTÁVEIS PARA O TRANSPORTE PÚBLICO PARA AS CIDADES DO PAÍS NÃO SEREM TÃO POLUENTES AJUDANDO A ECONOMIA, A ECOLOGIA E A MOBILIDADE DA POPULAÇÃO

Algumas alternativas de transporte coletivo como o VLT e o Metrô  enfrentam crises e  problemas crescentes neste setor carente por aqui nas cidades em geral do Brasil de rapidez no trânsito, conforto e soluções sustentáveis

O VLT já está sendo implantado em Teresina no Piauí




Os combustíveis fósseis apresentam desafios cada vez maiores nas cidades, além de contribuírem para a emissão de gases, eles são sujeitos à fragilidade de abastecimento, prejudicando todos os centros urbanos. Diversos países estão tomando medidas concretas para diminuir o consumo de combustíveis tipo diesel ou gasolina nos sistemas de transportes. Na Alemanha, há um projeto em andamento que visa proibir veículos movidos à combustão interna no país em breve. A medida deve virar lei, prevendo a adoção exclusiva de motores elétricos até 2030. Já o Reino Unido pretende tirar todos os carros a gasolina e diesel das ruas e rodovias até 2050. Além da redução da emissão de gases, a medida também diminui a exposição às limitações logísticas dos combustíveis fósseis. A recente greve dos caminhoneiros foi um exemplo disso, em que o fornecimento de combustíveis no país foi praticamente paralisado, trazendo prejuízos à circulação tanto de automóveis quanto de ônibus e outros modais. O Brasil tem algumas iniciativas no sentido de reduzir a dependência dos combustíveis fósseis, mas ainda não está no mesmo estágio de outros países, nem está executando projetos na mesma velocidade, segundo a gerente de Mobilidade Urbana da  entidade WRI, Cristina Albuquerque: "Algumas cidades brasileiras estão com alguns veículos elétricos, mas hoje ainda são poucas, e vemos prefeituras já ficando focadas no desenvolvimento no transporte coletivo, isso é um bom sinal e precisa virar uma iniciativa concreta, nós brasileiros já podemos aplicar uma infraestrutura mais avançada para o transporte público elétrico e depois para os veículos particulares também, o Brasil nas capitais e em todas as regiões pode fazer esta revolução".



 
Na crise dos combustíveis o VLT Carioca resolveu
 

O VLT Carioca inova e deve avançar

  VLT básico que já faz sucesso no Rio de Janeiro

  Cidades podem tam,bém entrar nos trilhos de trens elétricos

  
Teresina no Piauí busca esse modelo, conciliando a racionalização do transporte coletivo com a redução da dependência dos combustíveis. Para isso, a cidade já adotou um sistema de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) que conta hoje com nove estações, transportando cerca de 10 mil usuários por dia num trajeto que liga a zona sudeste ao centro da cidade. Até o final de 2018, o sistema deve contar com três veículos em pleno funcionamento, na segunda etapa do projeto, devem ser adquiridos mais três VLTs, além da duplicação da linha férrea, da reforma de cinco estações e da construção de outras duas. Ao fim dessa fase de avanço, essa rede será capaz de transportar até 40 mil passageiros por dia. "Com o crescimento da frota de veículos em nossa cidade, que ganha 2 mil novos carros por mês, é cada vez mais necessária a implantação de um sistema que faça as pessoas utilizarem o transporte público, ajudando a desafogar o trânsito e melhorando a qualidade do ar e da vida da população",  defende o secretário dos Transportes do Piauí, Guilhermano Pires. O Rio de Janeiro também se beneficia da sustentabilidade desse modal. Operando desde 2016, o VLT Carioca conta com duas linhas e 26 paradas, retomando uma tradição antiga da cidade (a dos bondes elétricos), mas agregando tecnologia e pontualidade ao transporte sobre trilhos. Durante a greve dos caminhoneiros, enquanto outros sistemas sofreram reduções ou interrupções, o VLT operou normalmente, transportando passageiros no centro e na região portuária do Rio. Para o presidente do VLT Carioca, Marcio Hannas, a confiança e a percepção de valor da população são fatores de sucesso do sistema: "O VLT busca entregar diariamente na operação pontualidade com segurança, a última pesquisa de satisfação, que foi realizada pelo Datafolha, aponta aprovação de 92% do público, o que nos alegrou, mas estamos todos conscientes da responsabilidade de manter e melhorar ainda a qualidade do serviço". 


Nas grandes e médias cidades o transporte já é um caos
Passageiros no sufoco (merecem mobilidade, conforto , rapidez)

(Confira na seção de comentários deste nosso blog de ecologia e de cidadania mais informações sobre migração de passageiros, sobre o Metrô de São Paulo e a necessidade de avançar o transporte público a bem também do trânsito, dos ciclistas e dos pedestres)



CET fez concurso popular sobre drama do transporte


Fontes: WRI – G1 – folhaverdenews.blogspot.com

5 comentários:

  1. Este debate sobre VLT, Metrô, trens elétricos e outras opções sustentáveis hoje estamos postando aqui no blog com apoio de informações da WRI, entidade não governamental especializada na busca destas inovações para diminuir o transe do trânsito nas nossas cidades.


    ResponderExcluir
  2. "Em São Paulo, o Metrô funcionou em horário especial durante três dias para atender os passageiros durante a greve dos caminhoneiros, estendendo o fim dos serviços até a 1h. Em situações emergenciais, o Metrô se apresenta como uma alternativa para os usuários de transporte particular. Em alguns casos, pode ser um primeiro contato com o sistema público, contribuindo para a migração de sistemas de transporte individual para o público”: comentário de Harald Zwetkoff, presidente da ViaQuatro, concessionária que opera a Linha 4-Amarela em São Paulo.

    ResponderExcluir
  3. "O Brasil ainda discute de maneira incipiente a adoção de modelos que não dependem de combustíveis fósseis, como veículos elétricos. “A recente crise provocada pela greve dos caminhoneiros demonstrou a fragilidade desta situação. Tanto o Metrô quanto o VLT estão alheios a qualquer quebra na distribuição e fornecimento de combustíveis fósseis. Essa é além de muitas outras, uma grande vantagem da mobilidade elétrica": comentário de Marcos Paulo Schlickmann, engenheiro civil especializado em transportes e colaborador do projeto Caos Planejado.


    ResponderExcluir
  4. "Acho que estamos no caminho das melhorias das condições de circulação também para pedestres e ciclistas, mas nossos políticos e população em geral ainda priorizam muito o transporte individual e mais poluente, infelizmente": comentário na matéria do G1 da Globo sobre a opção pelos VLTs, Metrôs e outras formas de transporte coletivo elétrico.


    ResponderExcluir
  5. "Esta na hora da ousadia e da inovação, nesta eleição de outubro, queremos que sejam apresentadas soluções e não somente a ladainha dos problemas": comentário de Plácido de Carvalho Silva, advogado, do Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir

Translation

translation